Skip navigation

Category Archives: Pobreza e Desigualdade

O projeto Trançando Idéias foi criado pela ONG Estimativa há dois anos, voltado principalmente para adolescentes e mulheres negras. Para maio, quando se comemoram 120 anos da Abolição da Escravatura, será realizada uma vasta programação, “mas não se trata de comemorar”, avisa Neide Diniz, assessora de imprensa da Estimativa, “será uma oportunidade de refletir sobre a situação da população negra no Brasil”, aposta.

AnaCris Bittencourt

JC – Como funciona o projeto Trançando Idéias?

Neide – Utilizando uma ação pedagógica forte, o projeto tem o objetivo de trabalhar a auto-estima, em especial das meninas e adolescentes negras. O projeto se vale da Lei 10.639, de ensino de história da África e do povo africano, para trabalhar nas escolas com crianças, adolescentes e jovens. Ao longo do ano letivo, organizamos palestras e oficinas, com exibição de vídeos, exposições fotográficas, abordando o combate ao preconceito racial, a partir do enfraquecimento dos estereótipos criados em torno da beleza negra.

JC – O cabelo é um forte motivo de bulling* na escola, certo?

Neide – Sim, a maioria das crianças negras sofre com isso. São chamadas de ‘cabelo de bombril, cabelo ruim’. O trabalho que fazemos mostra que não existe cabelo ruim, o que existe são vários tipos de cabelo e cada um tem uma espessura própria, um jeito de ser tratado e todos podem, e devem, ser admirados como são.

JC – Qual a abrangência desse projeto?

Neide – Realizamos visitas em escolas públicas, estaduais e municipais, e também em particulares, não apenas no estado do Rio de Janeiro, já levamos o projeto para uma universidade em Curitiba. Também atuamos dentro de comunidades e em parceria com movimentos sociais. Durante as palestras, trazemos depoimentos de ativistas e estudiosos que ajudam o público a entender melhor o processo de formação do país e onde nós, a população negra, está incluída.

JC – O alunado tem sido receptivo? E os(as) professores(as)?

Neide – No primeiro momento, há um estranhamento, principalmente em escolas particulares, onde a presença de alunos negros é menor. Mas também acontece em Cieps, onde os negros são maioria, por ser um assunto pouco falado em sala de aula. Outro problema é que essas crianças e adolescentes não têm um referencial, a mídia trabalha com um outro modelo de beleza, não nos reconhecemos nesse padrão. Por isso, o primeiro momento é de espanto. Depois que o trabalho é apresentado, elas passam a vivenciar aquele universo, fazem as tranças no cabelo e aí passam do espanto para a exaltação. Os olhos delas brilham, a mudança é incrível. No início, vários têm uma postura de inferioridade, mas depois que recebem a informação adequada e, finalmente, fazem o cabelo, principalmente as meninas, logo querem pegar um espelho, se ver, passar batom, se arrumar. A atitude muda totalmente. Elas passam a andar mais eretas, olham as pessoas nos olhos, sem medo de encarar os outros, se sentindo belas. Para além da estética, trabalhar a auto-estima tem um impacto psicológico forte.

JC – Quais os outros projetos desenvolvidos pela Estimativa?

Neide – Tem o Cinemativa, Nômades Culturais, são vários, todos têm a pessoa negra como ator principal, com enfoque nas mulheres. Nosso objetivo é fazer a população negra conhecer a sua própria história, respeitá-la e admirá-la. Só cuidamos do que conhecemos. E, a partir daí, passamos a nos gostar mais também. Apresentamos essa memória, mostramos quem foram os nossos heróis, nossos guerreiros, nossos intelectuais, quem são as mulheres e homens que lutam para combater o preconceito e ajudar a população negra a ter uma vida melhor. Como não aparecemos na mídia, muitos acham que somos invisíveis, mas não somos, tem uma galera muito boa fazendo tudo acontecer.

JC – Há alguma programação prevista para os 120 anos de Abolição da Escravatura?

Neide – A idéia não é comemorar, é aproveitar esse momento para fazer reflexões a respeito. Vamos realizar seminários, uma comunhão de todos os nossos projetos, a cara da Estimativa é reflexão com muito alto astral, ainda estamos em fase de preparação dos eventos que serão realizados em torno disso, a programação estará acessível no nosso site.

* Termo da língua inglesa, sem correspondente na língua portuguesa, que envolve “jogos de humilhações” entre estudantes com o pretexto de serem por “brincadeira”.
Pedidos de palestras e informações em:
www.estimativa.org.br
Tel.: (21) 2567.0011

Entrevista publicada no Portal Ibase